Luto:Vai com Deus Clerin


É com imensa tristeza que informamos o falecimento do amigo Cleurisvaldo Santos,mais conhecido como Clerin. Seu corpo está sendo velado no Centro Comunitário Paulo VI. A família e amigos agradecem a todos que estiverem irmanados neste ato de fé,oração,e compaixão cristã.

Modelo para os demais Estados:Flávio Dino antecipa salário e décimo terceiro dos professores contratados


Na contramão da situação dos Estados brasileiros o Governador Flávio Dino anunciou o pagamento dos professores contratados,incluindo também a primeira parcela do 13°salário, a serem pagas no próximo dia 27 de junho. Além da constante politica de valorização dos docentes, e investimentos fortes no programa Escola digna em todo o estado, o governo dá uma aula de como gerir bem os parcos recursos por conta de ingerências de administrações desastrosas, que por não aceitarem a evolução natural das coisas trabalham junto ao governo federal para desestruturar um equilíbrio financeiro que é modelo para todo país.

Lula e Bolsonaro lideram no Maranhão;Temer é rejeitado por 90%


 
Pesquisa do instituto Escutec, encomendada pelo PMDB e divulgada nesta quarta-feira (21), mostra o ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liderando a disputa presidencial no Maranhão. Na consulta espontânea, Lula tem 35,2% das intenções de votos dos maranhenses. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) aparece em seguida, com 5,3%, acompanhado de perto por Marina Silva (2,7%), Dilma Rousseff (1,0%), Ciro Gomes (0,7%), João Doria Jr. (0,4%), Sérgio Moro (0,3%), Joaquim Barbosa (0,3%), Michel Temer (0,2%) e Geraldo Alckmin (0,2%).
No levantamento estimulado, quando são apresentado os nomes dos candidatos, Lula continua na frente com 60,3% das citações, contra 10,4% de Marina Silva e 9,6% de Bolsonaro.
 

 
A pesquisa aferiu a avaliação do governo do presidente Michel Temer (PMDB) no Maranhão. 90,6% dos entrevistados desaprovam sua gestão e somente 7,8% aprovam.
Em relação a disputa para o governo do estado, a Escutec aponta a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) com 32,9% das intenções e o governador Flávio Dino (PCdoB) com 25,9%. Em terceiro está o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), com 11,4%, seguido pelo senador Roberto Rocha (PSB), com 6,6%, e pela ex-prefeita de Lago da Pedra Maura Jorge (Podemos), com 2,5%.
 


 
Para o Senado, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), e o deputado federal Zé Reinado (PSB) lideram com 13% e 10,8%, respectivamente. Na sequência, aparecem Gastão Vieira (Pros), 10%; Lobão Filho (PMDB), 9,2%; Waldir Maranhão (PP), 6,3%; Weverton Rocha (PDT), 6,2%; e Clóvis Fecury (DEM), 2,1%.
A pesquisa foi realizada em 80 municípios, no mês de junho, e foram ouvidos 2.034 eleitores.


“A felicidade é enorme”, diz aluna de Escola Digna entregue em Pedreiras

Governador Flávio Dino entrega reforma do C. E. Olindina Nunes Freire no município de Pedreiras. (Foto: Gilson Teixeira)
Governador Flávio Dino entrega reforma do C. E. Olindina Nunes Freire no município de Pedreiras. (Foto: Gilson Teixeira)
 Vinte salas de aula, biblioteca, sala de vídeo, enfermaria, secretaria, sala de professores, laboratório, cantina e banheiros. Tudo com cara de novo. Assim é a Escola Digna C. E. Olindina Nunes Freire, entregue nesta segunda-feira (19) pelo governador Flávio Dino em Pedreiras.
Trata-se da maior escola da região, com capacidade para atender mais de 2 mil alunos. A escola passou por reforma geral e ampliação de espaços, para as quais foram aplicados R$ 2,187 milhões.
Também foram entregues mais de 3.390 mil uniformes escolares para os estudantes da região.
“Estava todo mundo muito ansioso. Muda muita coisa, a começar do conforto. As instalações são maiores, não vai ter lotação, tem ar condicionado, laboratório”, afirma a aluna Isabelle Lopes. “A felicidade é enorme”, acrescenta.
“A gente não tinha estrutura para química, agora a gente vai poder fazer aula prática; e de biologia também”, afirma a colega Thais Emilly.










Senado se corrige e diz que apenas parte do salário de Aécio será cortada

Primeira informação divulgada era de que o corte seria integral; senador seguirá recebendo cerca de 1/3 do que ganha atualmente.


Senado retificou na tarde desta quarta-feira, 14, a informação de que havia cortado o salário do senador Aécio Neves (PSDB-MG) desde o afastamento do tucano por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 18 Maio.


De acordo com a assessoria da presidência da Casa, Aécio continuará recebendo a parte "fixa" do salário parlamentar de R$ 33.763, que equivale a um terço do total, e serão descontadas as faltas nas sessões deliberativas do plenário - este número pode variar de acordo com a quantidade de reuniões realizadas mensalmente.

Em ofício enviado mais cedo pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), ao ministro Marco Aurélio Mello, que é o relator do inquérito contra Aécio no STF com base na delação da JBS, o Senado informava a "suspensão da remuneração a partir da decisão (do STF)".

Ainda de acordo com a assessoria da presidência do Senado, os demais benefícios (carro oficial e verba indenizatória) foram, de fato, cortados. O nome do senador também não constará mais nos painéis de votação do plenário e das comissões.

Com informações Em.com.br


Jogadores do Flamengo comemoram FOTO: MARCELO THEOBALD

A primeira vitória do Flamengo no Brasileiro como mandante em sua nova casa foi um alivio do tamanho de sua torcida. O Rubro-Negro bateu a Ponte Preta na Ilha com gols de Réver e Leandro Damião e espantou a má fase e as cobranças sobre Zé Ricardo. Os torcedores apoiaram o time, mas faixas no estádio pediam ingressos mais baratos e avisavam que o título era obrigação. A arena não esteve lotada, mas a festa foi bonita, com direito a entrada de Conca por alguns minutos.
Apesar da vitória, a atuação no 2 a 0 desta quarta ficou com gosto de quero mais. O time, mesmo com mudanças, apresentou dificuldades semelhantes aos últimos jogos. O resultado, contudo, era o que mais importava. A equipe pulou para a décima primeira posição na tabela e pega o Fluminense no domingo, no Maracanã.
O Flamengo foi agudo no começo do primeiro tempo. As primeiras chances apareceram nos pés de Vinicius Junior e Leandro Damião. Mas o envolvimento e a posse de bola demoraram para se transformar em lances claros. Tanto que a partir dos 25 minutos a torcida passou a protestar.
Nada de vaias até então, apenas a constatação de que Diego não tinha com quem jogar e estava mal. As enfiadas no fundo para Everton e Rodinei eram em vão, com bolas na área sem destino. A Ponte Preta passou a dominar a troca de passes e quase marcou um gol no fim do primeiro tempo. O susto fez efeito. Antes do fim da etapa final, contudo, Réver tranquilizou com um golaço de cabeça após escanteio.
O Flamengo voltou melhor e ampliou. De cabeça, com Leandro Damião, que fez boa partida. A Ponte tentou responder mas parou em Thiago, bastante aplaudido. Os pedidos por Conca se avolumaram. Mas Zé Ricardo começou colocando Pará na marcação e avançou Rodinei. Vinicius Junior saiu ovacionado. Mas Conca entrou mais aplaudido na sequência. O Flamengo cozinhou o jogo e Zé Ricardo garantiu tranquilidade por um tempo.

Fonte:Extra.com

Emserh gerencia 70% das unidades estaduais de saúde e tem garantido resultados positivos na rede de atendimento

Estabelecer um novo conceito e padrão de qualidade para a saúde do Maranhão tem sido uma das frentes da gestão estadual. Para isso, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, tem buscado reduzir a atuação de empresas terceirizadas e concentrado a gestão das unidades na Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), que vem realizando um trabalho que beneficia o usuário do sistema público de saúde.
“A Emserh, além de uma iniciativa pioneira e bem sucedida do Governo, representa para a saúde estadual maior compromisso com a coisa pública, considerando sua natureza. Mais do que isso: ela traz, desde a sua concepção, uma política de gestão que tem foco no usuário, que privilegia a qualificação dos profissionais e a humanização do atendimento, além de procedimentos técnicos bem executados”, disse o secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula.
A empresa atualmente agrega a gestão de 70% das unidades de saúde do estado. Entre elas, estão algumas que são referências em serviços especializados como o Hospital de Câncer do Maranhão, o Hospital Presidente Vargas, o Hospital Macrorregional de Coroatá, o Hospital Geral de Grajaú, o Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde (CER) do Olho D’Água, entre outras. Tendo efetivamente iniciado em 2015 a gestão de quatro unidades, a Emserh é responsável hoje pelos serviços de saúde ofertados em 44 unidades, espalhadas pela capital e interior do Maranhão. E para primar pela qualidade da prestação desses serviços, realiza um trabalho de Gestão de Qualidade que tem como meta padronizar os processos em todas elas.
De acordo a superintendente de Assistência à Saúde da SES, Jamilly Pontes, o estabelecimento dos padrões e protocolos a serem seguidos, tem garantido, à 70% das unidades, qualidade. “Com a Emserh, a gente está trabalhando para deixar nossas unidades em um nível de atualização muito bom, usando protocolos muito atuais e uma equipe que está sempre em contínuo aperfeiçoamento. Isso pra gente é um padrão muito bom e dá uma segurança, porque além de treinar, eles ensinam a trabalhar os indicadores e metas, para que seja possível fazer uma avaliação do serviço”, explicou.
Segundo a gerente da Gestão de Qualidade da Emserh, Ana Carolina Marques, o pontapé para alcançar o nível de qualidade que é exigido hoje pela Rede é iniciado com os diagnósticos produzidos pela equipe. “Quando a gente entra em uma unidade, a gente faz um relatório de diagnóstico e a diagnostica como um todo: se tem falta de pessoas, de equipamentos, se tem deficiência nos processos. A partir disso, a gente divide isso tudo e sinaliza para os setores competentes. Como passo seguinte, iniciamos a reestruturação dessa unidade, agindo em várias frentes, cada setor dentro de sua competência”, explicou
Por meio da implementação de rotinas e protocolos padronizados, a Emserh tem conseguido ter controle da produtividade das unidades e da economia que esses processos tem gerado para a saúde do Maranhão. Um exemplo concreto que é reflexo deste trabalho é o estabelecimento de processos dentro das farmácias das unidades.
Mais economia
Além de estarem melhor organizadas e controladas – apenas o farmacêutico tem acesso às medicações, não sendo mais permitido retirada de material por qualquer profissional da unidade -, é executado em todas as farmácias um processo chamado lista de medicamentos para remanejamento, que somente no Hospital Regional de Caxias Dr. Everaldo Ferreira Aragão, em Caxias, no período de setembro a novembro de 2016, gerou uma economia de R$ 17.990,00 no gasto com itens de farmácia.
O processo consiste em identificar os medicamentos que estão próximos da data de vencimento em cada farmácia das unidades administradas pela Emserh. Após a identificação, a gestão de qualidade repassa a lista para o setor de Gestão Hospitalar, que faz a compra de medicamentos para que seja identificado em quais unidades são necessários medicamentos para uso urgente e o remanejamento é realizado, tornando a compra em caráter de urgência desnecessária.
A gestão do abastecimento das farmácias promove economia com os gastos da saúde. Processos similares a esse já garantiram uma economia de 15 a 20% por unidade de saúde administrada, traduzida numa economia mensal de dez milhões de reais aos cofres públicos.
No Hospital Macrorregional de Presidente Dutra que, anteriormente era administrado pelo Instituto Cidadania e Natureza (ICN), as mudanças com implantação da Gestão de Qualidade da Emserh foram substanciais.
“Conseguimos trocar poltronas e colchões, o que aumentou o número de leitos disponibilizados aos pacientes, colocamos mais um respirador na sala de reanimação, sem contar as mudanças de organização que facilitam o dia a dia da unidade: organização de medicação seguindo um padrão, organização do posto, tudo identificado com etiqueta, sinalização de salas, entre outros”, explicou Ana Carolina Marques.
Outro procedimento implantado inicialmente nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) da capital e depois estendido para todas as unidades administradas pela empresa foi a padronização das recepções, conforme o estabelecido pelo Protocolo de Manchester, normativa definida e obrigatória pelo Ministério da Saúde (MS).
Os pacientes são classificados e identificados de acordo com a gravidade da situação que chegam ao hospital, o que agiliza o atendimento e facilita para que qualquer profissional da unidade identifique a condição daquele paciente.

“Hoje, também temos em todas as unidades a adesivação, que é um protocolo de segurança do paciente, onde há a identificação desde o acompanhante, a identificação do paciente, a identificação do paciente no leito com pulseira. São exigências do Ministérios que precisam ser seguidas, que as unidades não tinham e quando foram incorporadas à Emserh passaram a ter”, comentou, Ana Carolina Marques.
O retorno positivo da Gestão de Qualidade da Emserh tem inspirado a Rede a, inclusive, implementar alguns dos protocolos em unidades geridas por outros institutos. “O modelo que a Emserh hoje oferece para nós é o case que queremos usar futuramente em todas as unidades da Rede. A empresa está sendo referência até quando se pensa numa base para se ter de treinamento com os outros institutos, porque os resultados têm sido bem positivos quantitativa e qualitativamente”, avaliou a superintendente de Assistência à Saúde da SES, Jamilly Pontes.
Junto à Rede, a Emserh tem participação efetiva no processo de democratização da saúde que está sendo implantado. A ação reforça o compromisso do Governo do Maranhão com a gestão da saúde, com o constante acompanhamento do trabalho desenvolvido na saúde pública estadual e, sobretudo, compromisso com o usuário, demonstrando que é possível executar um atendimento de saúde público e satisfatório.



“Tomaremos todas as providências para o povo ser ressarcido”, diz secretário da Saúde sobre Operação Sermão aos Peixes

Secretário Carlos Lula fez vistoria a unidade que agora é administrada pela EMSERH. Foto: Nael Reis/Secap
  
O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, afirmou nesta segunda-feira (12) que o Governo do Maranhão vai tomar todas as medidas cabíveis para que recursos que tenham sido desviados da área retornem aos cofres públicos. A quarta fase da Operação Sermão aos Peixes, feita pela Polícia Federal, identificou irregularidades atribuídas ao Instituto de Desenvolvimento e Apoio à Cidadania (Idac) na prestação de serviços à Saúde no Maranhão.
“A gente vai tomar todas as providências para que o povo seja ressarcido. Vamos pedir cópia do processo na Justiça Federal para buscar esse ressarcimento aos cofres públicos”, disse o secretário durante vistoria no Hospital Aquiles Lisboa, em São Luís.
A unidade, que é referência no tratamento de pacientes com hanseníase, passou a ser gerenciada pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) após o decreto que cancelou o contrato com o Idac.
O Governo do Maranhão vem reduzindo progressivamente a presença de entidades terceirizadas na Saúde do Estado. A Emserh vem assumindo a gestão dos hospitais.
“A gente tem certeza de que o modelo é este: estamos acabando com a terceirização do serviço público no Estado, e a Emserh vai paulatinamente assumindo a administração dessas unidades”, afirmou Carlos Lula.
Em 2014, na gestão passada, foram gastos R$ 925,6 milhões com essas organizações. Em 2015, o valor já tinha caído para R$ 753,4 milhões. Em 2016, caiu para R$ 589,6 milhões. Ao todo, em dois anos, foram R$ 508,2 milhões economizados.

Vistoria

Na vistoria feita no Hospital Aquiles Lisboa, foi verificado que a unidade está funcionando de modo adequado e não houve nenhum prejuízo para os pacientes ou para os funcionários após o decreto mudando a gestão.


Secretário Carlos Lula fez vistoria a unidade que agora é administrada pela EMSERH. Foto: Nael Reis/Secap


“Desde o primeiro dia, já há uma semana, acontecem essas visitas às unidades que estão passando para a administração da Emserh para não deixar nada faltar nessas unidades. E o atendimento continua normal”, disse o secretário Carlos Lula.
Os pacientes também dizem que o atendimento continua normal. A dona de casa Joselia Helena Freitas de Sousa, 38 anos, realiza o tratamento de autismo da filha duas vezes por semana no hospital, recorrendo a terapia ocupacional, fonoaudiólogo e psicólogo. “É um hospital muito bom, pude ver aqui o desenvolvimento da milha filha. Os médicos são muito bons e não faltam”, disse.
Ianik Leal, presidente da Emserh, disse que as equipes técnicas do governo já visitaram todas as unidades que eram administradas pelo Idac: “Com base nos relatórios dessas unidades nós vamos  poder agir efetivamente”.
“A responsabilidade não é pequena, mas a Emserh é uma proposta do governador Flávio Dino. Nós trabalhamos para uma saúde de qualidade, para que todos os maranhenses possam ter uma saúde digna”, afirmou Leal.

O hospital

Entre janeiro e abril deste ano, o Aquiles Lisboa realizou 30.164 consultas com especialistas, além de oferecer 96.498 serviços, entre eles, procedimentos odontológicos e exames de imagem e laboratório. A unidade dispõe de clínico médico, dermatologista, pediatra, ginecologista, ortopedista, neurologista, reumatologista, urologista, nutricionista, psicólogo e fonoaudiólogo, além de terapeutas ocupacionais e assistentes sociais.
“O que temos é a garantia da continuidade dos serviços, e, nesta uma semana, nós já conseguimos ampliá-los”, afirmou Raul Fagner Silva, diretor administrativo da unidade.
“Os funcionários do hospital e a comunidade receberam com alegria porque, mesmo num momento tumultuado, a gente vai continuar com essa qualidade e com o atendimento que os profissionais do Aquiles Lisboa fazem”.



Secretário Carlos Lula fez vistoria a unidade que agora é administrada pela EMSERH. Foto: Nael Reis/Secap

PSDB anuncia que permanecerá no governo de Michel Temer

Cupula tucana reunida

Partido tem 4 ministérios, mas relação com o governo estremeceu após delações da JBS envolverem presidente. Uma ala da sigla defendia a saída imediata do governo e outra, a permanência.

O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), e o senador tucano José Serra (SP) anunciaram na noite desta segunda-feira (12), durante reunião da comissão executiva do PSDB em Brasília, que o partido permanecerá no governo Michel Temer.
Além dos integrantes da Executiva Nacional, também estiveram presentes à reunião os quatro ministros do partido, deputados, senadores, governadores – entre os quais Geraldo Alckmin (SP), Beto Richa (PR), Simão Jatene (PA) e Marconi Perillo (GO) –, prefeitos de capitais – incluindo João Doria (São Paulo) e Arthur Virgílio Neto (Manaus) – e dirigentes regionais.
"O PSDB está dentro desse governo, com os seus ministros, em nome não do governo, nós não somos defensores do governo, mas estamos em nome da estabilidade e das reformas que são necessárias. Nossa maior preocupação são os desempregados que estão aí e não deixar que essa crise econômica venha a piorar", disse Tasso Jereissati.
Antes da fala do presidente interino do partido, o senador José Serra, que foi ministro das Relações Exteriores, já havia dito que a legenda "não fará nenhum movimento agora no sentido de sair do governo". Segundo ele, a decisão tomada é que os quatro ministros tucanos permanecerão no governo.
O PSDB detém o comando dos ministérios de Relações Exteriores, Secretaria de Governo, Cidades e Direitos Humanos e é um dos principais aliados do governo no Congresso.
"O Keynes, que foi o maior economista do século passado, tem uma frase que eu uso sempre: 'Quando os fatos mudam, eu mudo de opinião'. Você faz o quê? Se os fatos mudarem, há outras análises", afirmou Serra a jornalistas, que aguardavam o fim da reunião do lado de fora.
A relação entre o partido e o governo sofreu um abalo depois que surgiram as acusações feitas de executivos da JBS envolvendo o nome do presidente. Investigado pela Operação Lava Jato, Temer é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. Há ainda a expectativa de que o Ministério Público Federal apresente uma denúncia contra ele nas próximas semanas.

Eleições tucanas

Segundo Serra e outros tucanos que participaram da reunião, foi debatida a possibilidade de antecipação das eleições internas do partido já para este ano.
No fim do ano passado, o senador afastado Aécio Neves foi reconduzido à presidência da legenda. Ele se licenciou da função após as delações dos donos e executivos do grupo JBS.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que era contra a recondução de Aécio, foi um dos tucanos que defenderam a antecipação do pleito interno.
“Falou-se em antecipar as eleições e provavelmente será antecipada. Lembramos que o Tasso Jereissati está na presidência interina”, afirmou José Serra.

Divisão interna

Diante da crise política, o PSDB sofreu uma divisão interna. Há uma ala, especialmente entre os parlamentares mais jovens da legenda, que pressiona pela saída do governo.
A discussão sobre eventual desembarque vem sendo ensaiada há várias semanas, mas acabou adiada devido às pressões internas de tucanos contrários. A reunião da cúpula do PSDB, prevista para a semana passada, chegou a ser postergada a fim de se esperar o julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última sexta-feira, no qual a chapa Dilma-Temer foi absolvida das acusações de irregularidades na campanha eleitoral de 2014.
Apesar do resultado favorável a Temer, os descontentes com a aliança entendem que o partido não deveria levar isso em conta.
Relator da reforma trabalhista no Senado, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), é um dos que defendiam que o partido entregasse os cargos no Executivo. Para ele, as denúncias contra Temer são “devastadoras” e comprometem o andamento das reformas no Congresso.
“Todo tempo do governo será dedicado à sua defesa [...] Os fatos indicam que o partido [PSDB] deve entregar os cargos para que a gente possa lutar pelas reformas”, disse.

Estratégia

Para Temer, a permanência dos tucanos na base aliada seria importante não só pela sustentação política, mas também porque o PSDB é um dos principais apoiadores do governo na aprovação das reformas enviadas pelo Planalto para o Congresso.
Segundo o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, o presidente licenciado do PSDB, Aécio Neves, afastado do Senado por ordem do Supremo, articulou a permanência da legenda na base governista.
Em troca, Aécio está de olho no apoio do PMDB no Conselho de Ética do Senado, a fim de salvar seu mandato em caso de eventual processo por quebra de decoro. Ele foi denunciado ao STF por corrupção passiva e obstrução da Justiça.
De acordo com o Blog da Andréia Sadi, interlocutores de Michel Temer também têm sinalizado com o apoio do PMDB à candidatura tucana nas eleições presidenciais de 2018.
Há duas semanas, Temer procurou o governador Geraldo Alckmin para pedir a ele que desmobilizasse a debandada do PSDB de São Paulo.

Notas Rápidas

Amadorismo irresponsável

Há mais de vinte dias sem uma titular, a secretaria de assistência social de Pedreiras,uma das mais importantes do município,continua em situação indefinida. Para um governo que diz ter planejamento,tá aqui um belo exemplo...

Continua a sina dos ACS e ACE

O que leva uma administração a continuar protelando a chamada de Agentes comunitários de saúde e endemias a seus postos de trabalho? Um dos problemas mais graves de Pedreiras é indubitavelmente a saúde,e a prefeitura segue empurrando com a barriga estes profissionais que atuam diretamente na atenção básica, ou seja na prevenção de doenças.Como se pode combater com mais eficiência as doenças no nascedouro com os novos ACS e ACE pregrinando nas portas do MP, onde já eram pra estar atuando junto à população.

Tradição quebrada

As festas juninas em Pedreiras sempre tiveram a tradicão de uma vasta programação numa das datas mais aguardadas pelos Pedreirenses. Hoje vivenciamos uma triste realidade.Segundo informações as festas em honra a Santo Antônio,São Pedro e São João, terão vergonhosamente 03 dias,ou seja,um dia pra cada santo....Uma quádrupla falta de respeito, com os três Santos e o povo de Pedreiras.

Caçambeiros e fornecedores acumulando dívidas

Com 05 meses de atrasos no repasse respectivo ao  pagamento de 4 mil reais para o recolhimento do lixo em Pedreiras, os caçambeiros seguem sendo esfolados pela prefeitura de Pedreiras.Juntam-se a estes vários fornecedores que já encontram dificuldade em honrar seus compromissos diante da falta de responsabilidade da atual administração em não pagar o que deve.

Governo Camaleão

Percebendo a fragilidade administrativa do atual governo, membros do núcleo duro da prefeitura de Pedreiras tentam de toda forma passar para a população a imagem que o governo trabalha sob a égide de planejamento e gestão. A atitude nada mais é, do que uma tentativa de camuflar sua maior fragilidade,o seu calcanhar de Aquiles, que é a mais profunda incompetência administrativa.